TM2

Crises respiratórias em crianças aumentam com o frio

Crises respiratórias em crianças aumentam quando a temperatura cai.

Telemedicina pode ser opção para garantir a segurança e a saúde da família.

Basta a temperatura mudar que as crianças são as primeiras a sentir os efeitos do frio e da secura do ar. Logo chegam os resfriados e crises respiratórias, tão comuns nesta época do ano. Em tempos de pandemia, levar o filho ou filha que está com tosse ou com congestão nasal à uma consulta com o pediatra torna-se uma tarefa arriscada. Daí a importância de buscar-se alternativas seguras como a telemedicina, sem abrir mão da prevenção do agravamento das doenças.

De acordo com dados divulgados pelo Hospital Sírio-Libanês, o Brasil ocupa a oitava posição mundial em prevalência de asma, por exemplo, e registra cerca de 270 mil internações ao ano. Segundo dados registrados nas UBS’s (Unidades Básicas de Saúde) em todo o país, apenas a chegada do inverno já faz crescer a demanda espontânea (consultas não agendadas) em aproximadamente 10% em relação ao restante do ano. Conforme o inverno avança, algumas cidades chegam a mostrar mais de 30% de aumento no volume de casos.
Diante do perigo que representa a contaminação com Covid-19, muitos pais têm evitado levar as crianças ao médico para um tratamento adequado quando surgem os espirros, o nariz escorrendo e a tosse. Empresas do setor de Saúde têm investido em oferecer a telemedicina aos seus associados, como é o caso da Translife Emergências Médicas e Telemedicina, que atua há mais de dez anos em Sorocaba. Em breve, esse serviço estará em operação com valores acessíveis a diversos públicos.

Mas afinal, o que é a telemedicina?

A telemedicina abrange toda a prática médica realizada à distância, independente do instrumento utilizado para essa relação. A prática tem origem em Israel e é bastante aplicada nos Estados Unidos, Canadá e países da Europa. Trata-se de uma ferramenta tecnológica segura e legalizada, que segue as normas médicas estabelecidas no Brasil. No fim de março do ano passado, o Conselho Federal de Medicina (CFM) divulgou uma resolução que permite o trabalho remoto de médicos. O Ministério da Saúde ratificou a liberação do uso da telemedicina em uma portaria publicada dias depois no Diário Oficial da União.

Entre as vantagens da consulta a distância é evita que os pacientes precisem sair do isolamento para procurar os serviços de saúde. Dessa maneira, as pessoas se preservam das possibilidades de contaminação no transporte público e nos próprios consultórios e prontos-socorros. Além disso, pacientes infectados ou com suspeita de Covid-19 podem permanecer em quarentena e diminuir a circulação do vírus. Outro ponto positivo da telemedicina no combate à pandemia de Covid-19 é a preservação dos profissionais de saúde.

O serviço de telemedicina da Translife será fácil, através de uma plataforma exclusivamente desenvolvida para a empresa. Para acessar o serviço, basta ter um celular ou computador com conexão à internet. Serão oferecidas consultas com especialistas em clínica médica, cardiologia, radiologia, neurologia, pneumologia, telepsiquiatria, teledermatologia e telepatologia. Além das consultas, o paciente será monitorado e receberá todos os laudos e receitas necessários, tudo sem sair de casa e preservando a saúde.

Para mais informações, basta entrar em contato pelo telefone (15) 97404-2886.

Assessoria de imprensa
Fabiana Blaseck Sorrilha.